Acusado de estuprar e matar menina de 6 anos em Umuarama será julgado em Cascavel

Júri popular foi marcado para ocorrer no dia 25 de junho. Tábata Fabiana Crespilho da Rosa foi encontrada morta em uma área rural em setembro de 2017. Tábata Crespilho foi morta em setembro de 2017 em Umuarama
Divulgação/Sesp
O homem acusado de estuprar e matar uma criança de 6 anos há quase dois anos em Umuarama, no noroeste do Paraná, será julgado por júri popular no dia 25 de junho. Conforme decisão da justiça, o julgamento será realizado em Cascavel, no oeste.
O crime ocorreu em setembro de 2017. Tábata Fabiana Crespilho da Rosa foi encontrada morta em uma área rural um dia depois de desaparecer.
‘Onde eu ando eu vejo ela’, diz mãe de menina de seis anos morta em Umuarama
No dia que desapareceu, a menina saiu de casa para ir à escola com o irmão, que na época tinha 13 anos. O garoto a deixou em uma padaria que fica na esquina colégio no início da tarde – como fazia todos os dias. Porém, a Tábata não entrou na escola. O desaparecimento foi percebido no fim da tarde, quando a mãe foi buscá-la no colégio.
Laudo confirma que menina de seis anos morta em Umuarama sofreu abuso sexual
Polícia Civil conclui inquérito sobre a morte de menina de seis anos de Umuarama
O acusado, Eduardo Leonildo, foi preso e a notícia gerou uma revolta popular que terminou com a delegacia de Umuarama depredada. Vidros e móveis foram quebrados e sete carros incendiados.
Os presos da cadeia pública aproveitaram o protesto para sair aos poucos das celas. Eles começaram com um pequeno motim e depois se rebelaram, por 17 horas. Ao todo, 260 presos se rebelaram.
O julgamento foi marcado para ser realizado em Cascavel após um pedido feito pela defesa do réu. O advogado alegou que o julgamento em Umuarama causaria comoção popular e Leonildo, que atualmente está preso em Curitiba, poderia sofrer risco de vida.
Conforme a decisão judicial, Eduardo Leonildo será julgado por homicídio qualificado, ocultação de cadáver e por estupro de vulnerável.
A defesa da família de Tábata afirma que o réu também deve ser indiciado por um crime de estupro ocorrido 20 dias antes da morte da menina.
Conforme a advogada, Leonildo abusou de outra menina no Conjunto Sonho Meu. Essa criança, ainda segundo a defesa, o reconheceu depois que as imagens dele foram divulgadas pela polícia.
Veja mais notícias da região no G1 Norte e Noroeste


Fonte/Referência: G1

Matéria Incompleta? Link da Matéria Completa