Teste rápido de farmácia pode ser impreciso e requer cautela


Coleta de amostra para realização de teste rápido no Equador
Santiago Arcos/Reuters – 29.04.20
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) <a href="https://noticias.r7.com/saude/anvisa-libera-farmacias-para-aplicarem-teste-rapido-de-covid-19-28042020">liberou que farmácias apliquem testes rápidos de covid-19</a>. O órgão afirma que esse tipo de teste não tem o objetivo de diagnosticar a doença e que a autorização é temporária e excepcional. Especialistas ouvidos pelo <strong>R7 </strong>são a favor da medida, mas apontam que o exame tem limitações e que é essencial seguir regras para aplicá-lo.


<a href="https://noticias.r7.com/saude/teste-de-covid-19-em-farmacias-preocupa-conselho-de-medicina-01052020">O CFM (Conselho Federal de Medicina) manifestou em nota sua preocupação com as consequências dessa resolução</a>. De acordo com a instituição, se o teste rápido for realizado no período incorreto, 75% dos resultados podem ser "falsos negativos".


“Apesar de úteis em situações específicas, como no mapeamento epidemiológico de uma infecção viral, estes exames podem apresentar número significativo de resultados falso negativos. Eles apresentam deficiências, pois devem ser realizados após sete dias da apresentação dos primeiros sintomas”, diz o CFM.


O conselho ainda pede que seja priorizada a aplicação do teste RT-PCR, de biologia molecular. Ele é considerado "padrão ouro" porque detecta a presença do material genético do novo coronavírus, ou seja, é capaz de diagnosticar uma infecção ativa pelo vírus.

  <div class="media_box embed intertitle_box">

<div class="content">Detecta anticorpos, mas não a infecção</div>
<span class="author"></span>
O teste rápido, por sua vez, detecta a presença de anticorpos contra o novo coronavírus no sangue da pessoa. Isso significa saber se houve exposição ao vírus - e não se a pessoa está infectada no momento da testagem.


Sete dias é o prazo necessário para que o organismo consiga produzir essa resposta do sistema imune em níveis detectáveis pelo exame que será disponibilizado em farmácias- período conhecido como "janela imunológica". Entretanto, resultados melhores foram obtidos a partir do décimo dia com a utilização de produtos registrados pela Anvisa,


O virologista e biólogo Flávio Guimarães da Fonseca, do Centro de Tecnologia em Vacinas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) é a favor da medida, mas ressalta que é preciso ter noção sobre a limitação do teste rápido.


"A gente precisa de alguma alternativa para testar as pessoas que não estão com sintomas e não chegam a ir aos hospitais, porque elas dificilmente vão ter a oportunidade de fazer o teste molecular", pondera.


<strong>Leia também: <a href="https://noticias.r7.com/saude/teste-em-massa-e-a-base-para-solucoes-a-covid-19-diz-especialista-15042020">Teste em massa é a base para soluções à covid-19, diz especialista</a></strong>

  <div class="media_box embed intertitle_box">

<div class="content">Falhas nos resultados</div>
<span class="author"></span>