Na pandemia, 22% das faculdades particulares pausaram atividades e não adotaram o ensino remoto, diz pesquisa

Levantamento contratado por associação do setor aponta que 40% dos alunos disseram que conseguem pagar a mensalidade pelos próximos três meses. Com pandemia, 78% das insituições particulares estão dando aulas virtuais.
Divulgação
Uma pesquisa divulgada pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes) revela o cenário de como a educação vem se transformando a partir da pandemia. um dos dados divulgados, mostra que 89% dos alunos que estudam em instituições particulares já assistem aulas pela internet, sejam elas “ao vivo” ou gravadas, em função do isolamento social.
A pesquisa, feita pela Educa Insights, revela que 78% dessas instituições estão com aulas virtuais, as restantes (22%) optaram por suspender as aulas.
Os dados mostram que o percentual de estudantes que estão tendo aulas exclusivamente ao vivo, é de 61%. 28% utilizam o formato gravado e ao vivo, e 11% utilizam exclusivamente o formato gravado.
A pesquisa foi feita os dias 27 e 30 de abril, com 1.513 pessoas, em todas as regiões brasileiras.
Opiniões dos estudantes
A pesquisa da Abmes avaliou também a percepção dos alunos diante das mudanças trazidas pela pandemia.
Dos estudantes que usaram o ambiente virtual, 59% avaliam como positiva a experiência; 18% se dizem indiferentes em relação ao novo formato ; e 23% avaliam como negativa.
90% dos alunos disseram que querem continuar os estudos, apesar da pandemia e 9% dos estudantes indicaram a intenção de desistir dos estudos.
Sobre os impactos causados pela pandemia na vida acadêmica, 52% avalia que a pandemia teve pouco impacto, 18% disse que os efeitos foram médios e 30% disse que foi bastante impactado.
Sobre a questão financeira, 40% dos alunos que responderam a pesquisa disseram que conseguem pagar a mensalidade pelos próximos três meses, 12% acham que consegue manter o pagamentos pelos próximos 6 meses, e 39% dizem que ainda não sabem por quanto tempo conseguem pagar a mensalidade.
Vídeos
A desigualdade dos números do Enem


Fonte/Referência: G1

Matéria Incompleta? Link da Matéria Completa